obra Havia numa floresta um viçoso bambuzal. Ele destacava-se no meio da vegetação. Todos ficavam impressionados com o ar pomposo e galante do bambuzal, e em especial um certo bambu, emprestava ao ambiente. Os pássaros comentavam uns com os outros sobre sua beleza e elegância. As demais árvores invejavam as alturas a que chegavam seus caules, podendo assim ter uma visão privilegiada de toda aquela belíssima mata. Todos os dias passava por ali um sitiante à procura de plantas ornamentais, medicinais, ou mesmo alguns gravetos que lhe servissem como lenha.

Ele sabia da importância de cada habitante da floresta. Quando ele encontrava o que procurava ficava imensamente feliz, cantava e saía satisfeito, levando o que lhe interessava. O belo bambu acompanhava, a cada dia, as atitudes daquele sitiante. Ele dizia para si mesmo: "Como eu gostaria de ser usado! Eu tenho certeza de que seria muito útil para o sitiante. Como eu gostaria de ser usado!".

Um dia, aquele sitiante chegou bem pertinho do bambuzal e aquele bambu imediatamente se ajeitou e tratou de ficar bem bonito para ser visto e chamar a sua atenção. O sitiante olhou para o bambu, aproximou-se ainda mais e o bambu lhe disse: "Olha, como eu gostaria de ser usado pelo senhor. Eu seria a árvore mais feliz dessa floresta!". O sitiante pensou por um momento e depois foi até a sua mochila e voltou com um facão.

Quando o bambu viu o facão, perguntou assustado: "Pra que isso?". E o sitiante falou: "Você quer ser usado?". Ele respondeu: "Q-u-e-r-o!". Enquanto empunhava o facão com uma das mãos, com a outra ele sacudia o bambu para soltá-lo dos demais. O bambu reclamava: "Pare, pare, estou ficando tonto, minhas folhas estão caindo". E o sitiante disse: "Você quer ser usado?". Ele respondeu outra vez: "Q-u-e-r-o!". Ali mesmo aquele homem deu uma aparada na ponta do bambu, para tirar o excesso que não lhe serviria. E mais uma vez o bambu reclamou: "O Senhor não pode fazer isso. Não pode cortar aí. Assim não poderei olhar a mata lá de cima nessa posição privilegiada". E o sitiante mais uma vez lembrou: "Você quer ser usado?". "Q-u-e-r-o!".

Ele continuou cortando os galhos e limpando o tronco, tirando tudo aquilo que poderia atrapalhar o bambu no desempenho de sua futura missão. Ele tirou tudo o que era estorvo e inútil. E o bambu chorando disse: "O Senhor tirou tudo o que me fazia belo e atraente aos olhos de todos. Como eu gostava dos meus galhos e ramos." O sitiante tornou a perguntar: "Você quer ser usado?". "Q-u-e-r-o!".

Em seguida o sitiante começou a arrancá-lo do chão, cortando suas raízes. O sitiante já ia se preparando para sair, quando o bambu, indignado, lhe interrompeu, dizendo: "Mas, o que é isso?! O que o senhor vai fazer? Eu sempre morei aqui! Sempre vivi aqui! Aqui estão os meus amigos. Eu não quero sair daqui!". O sitiante perguntou: "Você quer ser usado?" Ele respondeu: "Sim! Eu quero ser usado."

Assim, saíram os dois, o sitiante carregando o bambu, seguindo pelas trilhas que levariam à casa. Dias depois podia-se ver aquele bambu lá no sítio daquele homem. Ele foi preparado e se transformou numa espécie de cano, um tubo condutor, e agora era usado para conduzir água da nascente até a caixa d'água. Agora, não era mais aquele bambu vaidoso, pomposo e que gostava de chamar a atenção e ser apreciado por todos na mata. Era um condutor de água. Uma importante função - condutor de limpeza, de alimento e de vida.

Essa é a Fábula do Bambu. Mas, que lições ou o que podemos aprender dela?

A floresta pode ser comparada à igreja, lugar onde o Espírito Santo tem trabalhado, no sentido de buscar a pessoa certa e assim capacitar.

O Bambu somos nós. Mas, quais são as implicações de ser usado por Deus? O que deve acompanhar essa disposição e essa disponibilidade que afirmamos, quando falamos com Deus: "Usa-me, Senhor!"?

  • - Estar pronto para experimentar a ação de Deus (Is. 6.1). No caso de Isaías o chamado aconteceu num momento de crise, a morte do rei Uzias.

"A quem enviarei e quem há de ir por nós?". Será que Deus tem procurado mostrar algo para você através de alguma coisa que tem abalado sua vida?

  • - Considerar a renúncia de algo importante em sua vida - No caso do bambu, ele foi cortado no seu orgulho. Para o sitiante era apenas uma aparada na ponta do bambu, para tirar o excesso que não lhe serviria. Mas, para o bambu, representava retirar aquilo que fazia dele alguém importante e que o destacava dentre os demais - de onde ele podia olhar os outros de cima para baixo.

O que você precisa renunciar em sua vida para ser usado por Deus?

  • - Disposição para viver uma vida de santidade e pureza. O bambu passou por esse processo de limpeza - a limpeza dos galhos e folhas. A pessoa que quer ser usada por Deus deve ter uma vida limpa e deve estar sempre pronto para ser usado.

pura

O que você precisa limpar ou retirar em sua vida para ser usado por Deus?

  • - Deixar para trás vínculos preciosos.  Abrir mão de vínculos preciosos como família, amigos, cidade e a pátria amada. Abraão saiu do meio de seu povo e de sua parentela para cumprir a sua missão, sem saber para onde ia, mas ele sabia com quem ia. O bambu finalmente se rendeu e se deixou levar, deixando para trás os seus vínculos. A decisão de Isaías também representava uma rendição total: "Eis-me aqui, envia-me a mim!". E você, qual a sua decisão?

familia

Conclusão - Quando somos capazes de responder a esse chamado com essa disposição e disponibilidade podemos esperar e ver o milagres acontecerem. Podemos ver o que Deus pode fazer através de uma vida que se entrega totalmente em suas mãos para ser usada no trabalho da Obra DEle. O bambu da fábula se tornou um condutor de água. Da mesma forma. Deus pode tornar você um condutor de vida, pureza e salvação. Qual será a sua decisão?

Beijinhos e que Deus abençõe…

Tecnologia do Blogger.

I Love Blogs

Seja Bem Vindo!

Total de visualizações de página

Assista

Participe

Blogs Parceiros



Fan Page

Receba novidades em seu email

Post mais lidos

Pense

"Geralmente aqueles que sabem pouco falam muito e aqueles que sabem muito falam pouco."

Seguidores

Pesquise no Blog